sábado, 15 de abril de 2017

QUANDO NASCI


Quando nasci, ‘Mais Um’ era meu nome
Mais um do sangue rubro de imigrantes
Mais um com o dissonhar dos retirantes
Mais um para aditar-se ao que já come.

Mais um para igualar-se aos debutantes
Mais um ao qual louvar sem sobrenome
Mais um que por sonhar terá mais fome
Mais um que deva amar pelos amantes.

Mais um que se ajoelhe como um pobre
Mais um que se levante como um nobre
Mais um que deixe os bosques pela flor.

Mais um que um dia enseje como esteta
Mais um que um dia nasça o meu poeta,
que ame as rosas morrendo por amor...

Afonso Estebanez

Um comentário:

Regina Carvalho disse...

Amei conhecer o embrião do Homem que hoje és. Belos versos, cheios do sentido vital da vida-o Amor. Renascemos quando amamos desde o início dos tempos. Sempre foi e assim será eternamente