terça-feira, 1 de junho de 2010

QUARTA ROSA DO ORIENTE

Tenho saudade da saudade dela
murmurando na brisa do jardim
que revejo do encanto da janela
aberta pelo céu dentro de mim.

A minha rosa é como a cidadela
da memória na torre de marfim
desse desterro de viver sem ela
num pálido crepúsculo sem fim.

Ela me traz de volta a sensação
de algum tempo futuro já vivido
no passado que não aconteceu.

Assim pressinto que no coração
essa doce ilusão me faz sentido
como sonho que se reconheceu.

Afonso Estebanez

4 comentários:

Ana Ortiz disse...

"Quarta Rosa do Oriente" é linda demais...perfuma a alma e o coração...nos faz sonhar...VIVER..esperançar...estar sempre a caminho de...sem importar-se SE.

Caminhos Poéticos disse...

Tem selinho aqui prá voceeeeeeee
com carinho meu.

É o primeiro do lado direito.
"Caminhos Poéticos"

ANTOLOGIA POÉTICA disse...

Antologia Poética oferece um carinho prá voce.Venha buscar os selinhos que lhe ofereço.

Beijos na alma M@ria

Tanith disse...

Maravilhosa inspiração a sua...Parabéns!